“Querido Deus,”

E se você tivesse nascido no lugar errado, tempo errado e com o gênero errado? Pra quem você iria pedir ajuda? Celie escrevia cartas pra Deus. 
Sabe, demorei pra escrever sobre ‘A cor púrpura’, porque foi uma leitura muito iluminista pra mim. Ou seja, abri os olhos pra realidade do que é ser mulher. Pecava muito quando pensava que o feminismo era sem importância. No livro, parei pra analisar a situação da mulher na sociedade atual. Confesso que já falhei muito em pensar que existia uma igualdade. Tola/burra eu fui, claro.
É incrível como mesmo depois de anos, ainda vemos mulheres sofrendo das mesmas temáticas do livro, por ex: agressão física, abuso sexual e psicológico. É doloroso acreditar que estamos parados quando o assunto é mulher. E eu cansei de ter uma visão alienada sobre o feminismo. ‘A cor púrpura’ foi um divisor de águas na minha vida, porque acabei aceitando que o feminismo é necessário. Eu, sendo mulher, vou gastar todo meu tempo pra explicar que não sou obrigada a nada, literalmente.  Inclusive, não vou aceitar (mais uma vez) ser abusada de qualquer forma. Vou amar quem eu quiser. Vou vestir e escolher o caminho que eu achar melhor pra mim. E quero RESPEITO!
Assim como Celie, a protagonista, quero desapegar da religião que sustenta qualquer forma de machismo. Quero também amar assumidamente o amor que eu amar, seja homem ou mulher. Mas que seja verdadeiro.
Obrigada, Alice Walker (escritora). Obrigada por ter feito uma obra tão linda e revolucionária.
O que levarei do livro? Que depois de quase 5 meses lendo sobre, não tenho mais dúvidas! Sou feminista.

“O universo é um lugar grande. Talvez não estamos na melhor vizinhança. “


Não imaginei que fosse gostar tanto da  “Guerra do velho”, porque nunca tinho lido uma ficção antes, e fui muito sortuda por ter começado muito BEM. Neste post, vou dizer 3 motivos pra ler esse livro e 3 lições que aprendi dessa linda obra. Segue a lista dos motivos:

1) É um livro muito divertido.  Digo, tem um humor que te faz gargalhar.

2)  É uma narrativa fácil de acompanhar.

3) O livro tem continuação.

Além desses motivos super valiosos, eu tirei do livro muita reflexão relevante pra compartilhar. Uma reflexão é sobre o que torna nós seres humanos.  Lembranças?  Conquistas? Nosso nome? Bom, eu entendi que o tempo talvez seja o maior motivo pra nossa definição de ser humano. John, o protagonista, tem 75 anos, mas a cabeça dele está la na casa dos seus 25, querendo muito reviver sua juventude. Se você tem 25, viva muito bem vivido, viu! Diferente de John, a gente ainda vive na terra, onde tudo é limitado. Minha outra reflexão foi sobre o amor. Você tem amado as pessoas pelo que elas são ou pelo que elas refletem num espelho? Se a essência da pessoa que você ama estivesse em outra pessoa, você daria uma chance? Honestamente, ninguém sabe! Porém, John amou a sua mulher de uma forma que eu não sei se é possível na vida real e nunca apagou a pureza que existia entre eles, mesmo depois de algumas despedidas. Falando em despedidas, vou pra última reflexão: Quão corajoso você tem sido ultimamente pra largar algumas coisas que estão te deixando pra baixo? No livro, o personagem deixa a terra, largando tudo pra ter uma segunda chance pra existir.  E nós?  Vou usar as palavras do próprio livro:
“às vezes, você só precisa botar o pé na estrada.”
Enfim, terráqueos, acredito que esse livro fale sobre o tempo tão único que cada um de nós possuí pra construir a nossa essência/nossa história como pessoa. E a minha maior aprendizagem foi descobrir que quando esta vida acabar, vou dizer alegremente adeus pra ela também, porque sei que vou deixar de existir aqui, mas partirei pro “desconhecido” mundo: habitarei numa outra definição de universo!
SRR

 

Para: Ada


Que história linda, Ada! Eu amei te conhecer. Escolhi fugir com você.  Decidi me amar como você, mesmo que as minhas imperfeições sejam notórias aos olhos de todos. O teu livro fala sobre uma guerra, não a do Hitler apenas, mas a nossa guerra diária: O medo de fracassar. Você me ensinou que a minha cabeça fica longe do meu pé e que sempre vai existir todo tipo de guerra, porém, talvez alguma dessas guerras salvem a minha vida. Quero contar a tua história p/ meus filhos (se tiver), meus amigos  e inimigos. Hurum, inimigos! Porque você me ensinou que a pessoa menos provável  também sabe amar, às vezes. É difícil eu amar um personagem tanto assim. Talvez o motivo seja: pra mim, tu não é apenas um personagem. Você é um ser real que existirá pra sempre através das minhas ações e dentro do meu ❤. 

Ass. SRR

Livro: A guerra que salvou a minha vida

#darkside ❤

Tempos Modernos 

Eu me sinto frustrada. Que tempo é esse que todo mundo parece ser tão feliz? Melhor, por que gostamos tanto de mostrar que estamos numa festa, numa viagem, numa porra de momento sei la qual/quê, hein?

Quero mais que um motivo pra tentar entender a grande razão da gente seguir tanta gente rica por ai. Será que gostamos de viver uma realidade que está longe da nossa? Somos infelizes, mas ninguém nos contou ainda. E o pior, alguém está mais rico só por causa do seu “like”. Quantos “likes” a vida ja te deu? 

Ainda não entendi o nosso vício de postar tantas vezes a nossa cara. Sinto raiva de mim por participar desse grupo de narcisista nato. Eu perdi um pouco na minha essência já. Fui contaminada com a “normalidade” do que é ser gente atualmente.  Tirei até um peso no meu coração,  estava pensando que eu estava frustrada por não conseguir ter a vida que meus amigos têm. Na verdade, eu só estou frustrada porque acabei sendo igual. Corrompi meus princípios, tentando ser alguém apenas com o feed bonito.

Ass. SRR

Quem você tem sido ultimamente?  

Numa entrevista, mandaram eu escrever uma redação com o tema “Quem sou eu”. De imediato, pensei: “Melhor do que escrever sobre a NASA!” Até começar a puxar da cabeça todas as minhas qualidades (…) 5 minutos depois, eu não tinha escrito nada. “Quem sou eu?” Fiquei pensando nos meus defeitos. VAZIO NA MENTE! “Mas quem sou eu, hein? TENHO 23 ANOS E NÃO SEI NADA SOBRE MIM”. Definitivamente, não sei! É sobre isso que vou escrever nessa redação! A Sandy não tem definição. Não sei dizer quem eu sou, moça, mas posso dizer quem eu tenho sido de um tempo pra cá. Bom, primeiramente, tenho sido mais FORTE diante dos problemas da vida. CHORO, mas quando o dia amanhece, ESTOU PRONTA para tentar novamente. Tenho sido mais HONESTA comigo mesma, aceitando os meu limites: não entendo números e nunca vou conseguir falar alto. Porém, agora, sei pedir AJUDA!

Ah, também não tenho criticado os erros que cometi no passado, pois eles me ajudaram a ser um pouco melhor hoje. Tenho RESPEITADO minha alma, expulsando os seres ruins que estavam na minha vida. De um tempo pra cá, tenho rido mais de mim e amado mais minha aparência. Hoje, consigo falar: “I’m feeling sexy and free like glitter’s raining on me.” Ou seja, o tempo tem amadurecido minha autoestima. Porém, ainda acho que a verdadeira beleza é invisível aos olhos. E é nessa misteriosa beleza que me fortaleço sem expor um corpo com biquíni, mas uma alma despida pra amar incondicionalmente offline. Hoje, não ligo se vou ficar pra trás, porque sempre vou achar outro caminho de alguma forma. Nem me importo COM QUEM decidir sair da minha vida, pois EU TENHO ESCOLHIDO quem fica nela, cativando somente as pessoas que trazem LUZ. Tenho sido livre em mim, permitindo amar quem eu quiser amar! Tenho sido a paciência andante, senhora! E isso é um saco porque sempre estava aceitando TUDO. Hoje, ANDO ME PERGUNTANDO: “sou obrigada?” E só faço qualquer coisa se for por amor.

Não seria normal numa redação de emprego dizer que “LOUCA” é uma possível palavra que mais me defina, né? Louca por acreditar que o amor exista; que o respeito seja mútuo; que meu MEDO não seja meu maior sentimento; que DESCULPA seja o meu sobrenome; que eu seja uma mulher cujo corpo seja apenas um DETALHE, e que eu seja lembrada por coisa mais IMPORTANTE; que o meu mundo seja repleto de GENTILEZA; que todo mundo ao meu redor seja FELIZ. Tenho desejado que o sol brilhe pra todos sem ninguém pisar no outro… Tenho sido sonhadora, futura chefe! “Quem sou eu?” Eu SOU uma palavra chamada ESPERANÇA. E por mais que essa visão romântica não seja o que a senhora queira ouvir sobre mim, não consigo ser robótica sendo tão humana. Só garanto à senhora que sou melhor do que fui ontem e nada comparado com o amanhã. Porém, nas horas vagas, vou transbordar afetos por todos os lados, porque É QUEM TENHO SIDO até agora!

Ass. SRR

Definição de Infinito

Insisto, mas não achei uma palavra que pudesse me definir. Então, decidi ser sentimento andante, porém,  aqueles que só sabemos expressar com palavras ESCRITAS. Sou  aquele TEXTO que guardamos dentro de um caderno ou grifamos pra sempre relembrar. Sou FRASE que transborda amor ao falar. Às vezes, Tenho medo de ser apenas uma lembrança. Eu realmente não consigo viver à beira do esquecimento, por isso, ESCREVO! Gosto de imaginar que serei um tipo de infinito dentro de vários corações que estão me LENDO.

Ass: SRR